Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

Notícias Internacional

Ucranianos apoiam protestos no Cazaquistão: ‘Diga não a Putin’

Marcha aconteceu na capital, Kiev, e em Kharkov, segunda maior cidade ucraniana. Manifestações são preocupantes para Putin

Ucranianos apoiam protestos no Cazaquistão: ‘Diga não a Putin’
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Com o destino de seu país sendo discutido nas conversações EUA-Rússia desta semana , os ucranianos foram às ruas no fim de semana para defender sua independência e defender uma causa adicional – os protestos do Cazaquistão .

No domingo, manifestantes em Kiev e Kharkov, a segunda maior cidade da Ucrânia, seguraram cartazes que diziam “Diga não a Putin” e hastearam bandeiras do Cazaquistão ao lado das ucranianas.

A bandeira azul e dourada do Cazaquistão também apareceu nos céus de inverno de Kiev no sábado, voando de um drone em um ato de protesto organizado por Dronarium, uma comunidade de entusiastas de veículos aéreos não tripulados conhecida por declarações políticas.

“Todas as nações têm o direito de proteger seus direitos socioeconômicos e políticos por meio de protestos pacíficos”, disse o operador de drones Vitaly Shevchuk. “Condenamos a violência em qualquer forma, mas também nos opomos à intervenção militar estrangeira no Cazaquistão sob o pretexto de uma operação de manutenção da paz, que é mais como uma ação punitiva e corre o risco de se tornar uma ocupação. ”

Depois de uma semana de protestos violentos que começaram por causa de um aumento nos preços dos combustíveis e se espalharam rapidamente por todo o país – deixando pelo menos 164 mortos, 2.000 feridos e quase 6.000 presos – uma aliança militar liderada pela Rússia agora restaurou o controle do Cazaquistão para o governo.

A Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), uma aliança de vários ex-estados soviéticos, enviou cerca de 2.500 soldados ao Cazaquistão para ajudar a conter o protesto, incluindo pára-quedistas russos que protegem “instalações vitais e infraestrutura social”, disse um comunicado do Ministério da Defesa russo.

Os críticos acusaram a Rússia de “ocupação” por causa de seu envolvimento, com o cazaque Mukhtar Ablyazov, um ex-ministro que se tornou líder da oposição, alertando que o presidente Vladimir Putin levará o país a “uma estrutura como a União Soviética”, a menos que o Ocidente intervenha.

Motivados mais por suas próprias esperanças de desafiar Putin do que por compartilhar uma causa comum com os protestos, os ucranianos também pediram resistência.

“O ditador [Putin] quer reconstruir a URSS à força”, disse Olga Angelova, que estava entre os manifestantes em Kiev.

“Ele deve ser impedido – nós, ucranianos, vamos resistir aos ocupantes. Pedimos ao Ocidente que não aceite um ultimato de Putin ”, disse ela, referindo-se às negociações desta semana sobre uma possível invasão russa da Ucrânia.

Liderando o CSTO no Cazaquistão está o comandante Andrey Serdyukov, gerando mais especulações sobre a ocupação por parte dos ucranianos – o coronel-general liderou as tropas na Crimeia, que foi anexada por Moscou em 2014, e Donbass, que é mantido por separatistas apoiados pela Rússia.

Com diplomatas americanos e russos se reunindo esta semana, com negociações em Genebra e Bruxelas começando na segunda-feira, as negociações podem se tornar um momento decisivo na história das relações entre a Otan e a Rússia.

A Ucrânia, no entanto, estará ausente de duas das três sessões de negociação, o que levou o refrão “Nenhuma decisão sobre a Ucrânia sem a Ucrânia” a ser amplamente utilizado, inclusive por Dmytro Kuleba, o ex-ministro das Relações Exteriores da Ucrânia.

A ameaça atual surge após oito anos de conflito de baixo nível que causou a morte de mais de 13.000 pessoas.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, falou na semana passada sobre “diplomacia e desaceleração”, mas no domingo, Washington minimizou as expectativas de um avanço nas negociações e a Rússia disse que não faria concessões sob pressão dos EUA.

Para o presidente russo, Vladimir Putin, os acontecimentos que estão ocorrendo na fronteira sul do país são preocupantes. A Rússia mantém relações estreitas com o Cazaquistão e depende do Cosmódromo de Baikonur como base de lançamento para todas as missões espaciais tripuladas pela Rússia.

FONTE/CRÉDITOS: Terra Brasil Notícias/ Gazeta Brasil/ Aliados Brasil Oficial
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )