Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Domingo, 19 de setembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Policial

Polícia Federal busca servidores públicos e empresários do Ceará por fraudes em hospital de campanha

A Polícia Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (23) sete mandados de busca e apreensão

235
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Polícia Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (23) sete mandados de busca e apreensão, contra grupo investigado por crimes de corrupção, malversação, desvio de recursos públicos federais e fraude em procedimento de dispensa de licitação, no contexto do enfrentamento ao coronavírus. A suspeita é se houve desvio de verba para construção Hospital de Campanha montado no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza.

A Operação Cartão Vermelho 2 ocorre em domicílios de investigados, em Fortaleza e Brasília, com objetivo de dar andamento ao inquérito policial que apura indícios de atuação criminosa de servidores públicos, dirigentes de organização social sediada em São Paulo contratada para gestão do hospital de campanha e empresários.

O estádio de futebol Presidente Vargas teve as atividades esportivas suspensas em abril de 2020 para sediar uma unidade de saúde construída em situação de emergencial. O hospital foi desativado em setembro do ano passado, após atender 1,2 mil pacientes com Covid, segundo a Prefeitura de Fortaleza.

Início das investigações

As investigações tiveram início em 2020 e, a partir dos dados coletados e analisados pela PF e CGU na primeira fase da Operação Cartão Vermelho deflagrada em novembro de 2020, foram reforçados indícios de conluio entre os investigados para direcionar escolha de organização social, com pagamentos superfaturados, transações com empresas de fachada, desvio de recursos públicos federais e enriquecimento ilícito dos investigados.

 

As investigações continuam com análise do material apreendido na operação policial e do fluxo financeiro dos suspeitos. Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação, peculato, ordenação de despesa não autorizada por Lei e organização criminosa, e, se condenados poderão cumprir penas de até 33 anos de reclusão.

A operação acontece em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU). Cerca de 35 policiais federais e 8 servidores da CGU estão cumprindo os mandados de busca e apreensão.

Fonte/Créditos: terrabrasilnoticias.com

Comentários: