Aliados Brasil Notícias

MENU

Notícias / COVID-19

Pessoas que sofreram com Covid há três anos podem ter problemas no intestino, cérebro e pulmões agora, dizem cientistas

Foram analisados 135.161 veteranos dos EUA que sobreviveram à COVID-19 e um controle de 5.206.835 usuários do sistema de saúde sem nenhuma evidência de infecção por SARS-CoV-2, para comparação

Pessoas que sofreram com Covid há três anos podem ter problemas no intestino, cérebro e pulmões agora, dizem cientistas
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Um novo estudo publicado na revista Nature Medicine descobriu que alguns problemas de saúde decorrentes de infecções por Covid, mesmo leves, podem surgir até três anos depois. O estudo descobriu um risco maior, após três anos, de problemas no intestino, cérebro e pulmões, incluindo síndrome do intestino irritável, mini-derrames e cicatrizes pulmonares.

O estudo foi conduzido pelos cientistas Miao Cai, Yan Xie, Eric J. Topol e Ziyad Al-Aly, que atuam em fundações e universidades americanas. De acordo com os pesquisadores, a infecção por síndrome respiratória aguda grave por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) leva a efeitos de longo prazo na saúde.

Estudos que acompanharam indivíduos infectados por 1 ano e 2 anos descreveram trajetórias de risco para muitas condições. Os riscos para algumas condições diminuem após o primeiro ano após a infecção, mas para outras persistem 2 anos após a infecção inicial, especialmente entre indivíduos que foram hospitalizados durante a fase aguda da doença.

Leia Também:

"Cerca de 25% da carga cumulativa de incapacidade e doença de 2 anos devido ao SARS-CoV-2 emana do segundo ano após a infecção inicial. Entretanto, estudos com tempos de seguimento mais longos ainda são limitados. Não está claro se e em que medida os riscos permanecem no terceiro ano após a infecção e se novos riscos latentes (que ainda não foram observados) se tornam aparentes no terceiro ano após a infecção. Assim, realizamos uma avaliação abrangente dos riscos e encargos das sequelas pós-agudas da COVID-19 em ambientes de cuidados de infecção aguda – tanto indivíduos não hospitalizados como hospitalizados – nos 3 anos após a infecção. Colmatar esta lacuna de conhecimento é importante para aprofundar a compreensão das trajetórias de saúde pós-agudas e de longo prazo das pessoas que tiveram infeção por SARS-CoV-2 e informará os cuidados prestados às pessoas com estas condições", escreveram os cientistas no estudo.

No trabalho, foram usados os bancos de dados nacionais de saúde do Departamento de Assuntos de Veteranos (VA) dos EUA. Foram analisados 135.161 veteranos dos EUA que sobreviveram à COVID-19 e um controle de 5.206.835 usuários do sistema de saúde sem nenhuma evidência de infecção por SARS-CoV-2, para comparação.

Para garantir um acompanhamento de 3 anos, a seleção focou em indivíduos acometidos entre março e dezembro de 2020, um momento que antecedeu a disponibilidade de vacinas e antivirais contra a COVID-19 e quando o vírus ancestral SARS-CoV-2 predominava. As pessoas foram acompanhadas por 3 anos para estimar os riscos de morte e sequelas incidentes de SARS-CoV-2.

Havia 114.864 participantes (13.810 mulheres e 101.054 homens) no grupo não hospitalizado com COVID-19 e 20.297 participantes no grupo hospitalizado com COVID-19 (1.177 mulheres e 19.120 homens), e havia 5.206.835 participantes no grupo controle sem infecção (503.509 mulheres e 4.703.326 homens). Todos os participantes tiveram 3 anos completos de acompanhamento.

O estudo descobriu um risco maior, três anos depois, de problemas no intestino, cérebro e pulmões, incluindo síndrome do intestino irritável, mini-derrames e cicatrizes pulmonares. Isso é diferente do que a maioria das pessoas chama de “Covid prolongada”, a condição crônica debilitante que pode incluir fadiga, confusão mental e batimentos cardíacos acelerados.

 

Fonte/Créditos: Extra

Créditos (Imagem de capa): Para garantir um acompanhamento de 3 anos, a seleção focou em indivíduos acometidos entre março e dezembro de 2020, um momento que antecedeu a disponibilidade de vacinas — Foto: Edu Kapps/SMS/Divulgação

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )