Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Quinta, 29 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

Política

Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara fala em impor limites a Jair Bolsonaro

O político já foi filiado ao PCdoB e membro da equipe de governo de Lula no Ministério do Esporte há alguns anos

267
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), declarou que se não houver limites, Jair Bolsonaro poderá avançar sobre a democracia. Em entrevista ao jornal Estadão publicada na última terça-feira (20), o político em em seu histérico pensamento, afirmou que o atual chefe do Executivo “não respeita ninguém, nem a Câmara dos Deputados”.

“A hora de reagir é agora. A Câmara precisa demarcar uma linha no chão de até onde ele pode ir. Se não fizermos isso, Bolsonaro vai avançar e marchar sobre a democracia“, afirmou.

Ramos já havia feito menção dos pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro nos últimos dias, e estaria em posse do “superpedido de impeachment”, protocolado há alguns dias por deputados da oposição e que romperam com o governo.

O político já foi filiado ao PCdoB e membro da equipe de governo de Lula no Ministério do Esporte há alguns anos.

O atrito entre Marcelo Ramos e  Jair Bolsonaro, presidente da República,  teria ganhado força após a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), há alguns dias, com um valor de R$ 5,7  bilhões destinados para o fundo eleitoral. Jair Bolsonaro tem feito críticas à medida e disse que vetará o trecho do texto que trata do tema.

Marcelo Ramos disse também que se estiver no comando da casa em algum momento, poderá analisar se dá início ao processo. Somente o presidente em exercício da Câmara dos Deputados pode aceitar abertura do processo de impedimento do chefe do Executivo.

Arthur Lira (PP-AL), que ocupa o cargo atualmente, já declarou que está segurando os pedidos de impeachment, pois não vê vontade política, mobilização de massa e motivos concretos para dar andamento à proposta.

As manobras do vice-presidente da Câmara dos Deputados, lembrando que o real motivo pela histeria é a posição do presidente Jair Bolsonaro de veto à proposta do fundo eleitoral que beira os R$ 6 bilhões. Acompanhe.

O que a falta da mamata e da farra do dinheiro público, não faz, né gente?

Fonte/Créditos: Terça Livre/ Aliados Brasil Oficial

Créditos (Imagem de capa): reprodução

Comentários: