Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Domingo, 19 de setembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Policial

Lava Jato: João Vaccari Neto, Ex-tesoureiro do PT vira réu por corrupção e lavagem de dinheiro

O réu é acusado de desviar mais de R$ 3 milhões de contratos de serviços em navios plataforma da Petrobras

249
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), duas mulheres que prestavam apoio à sigla e dois executivos da Doris Engenharia viraram réus por corrupção e lavagem de dinheiro em um processo oriundo da Operação Lava Jato.

A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi aceita em 20 de agosto deste ano, mas a  ação teve o sigilo retirado apenas nesta quinta-feira, 26. O processo tramita na 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, comandada pelo juiz Luiz Antônio Bonat.

De acordo com os procuradores, Vaccari e os demais são acusados de desviar cerca de R$ 3 milhões de contratos de serviços de engenharia em navios plataforma da Petrobras. O pedido do MPF inclui multa pelos valores desviados e por danos causados à Petrobras; além disso, solicita o bloqueio de bens de R$ 7,3 milhões.

De acordo com a denúncia, os executivos da empresa usaram um operador financeiro para pagar propinas a Pedro Barusco, ex-gerente-executivo da Petrobras, em troca da obtenção de contratos de prestação de serviços de engenharia de oito navios plataforma da estatal.

Segundo a denúncia, além do então gerente da estatal, Vaccari e o próprio operador financeiro, Zwi Skornicki, também foram destinatários da propina.  

De acordo com os procuradores, a propina destinada ao PT foi paga mediante outro contrato fictício com uma empresa do Rio de Janeiro que era controlada por duas irmãs associadas ao ex-tesoureiro.

Conforme a denúncia, foram identificadas 27 transferências bancárias entre 2011 e 2014 para as contas dessas empresa, somando quase R$ 650 mil.

O operador financeiro do esquema e o ex-gerente da Petrobras fecharam acordo de colaboração premiada com o MPF, confessaram os crimes praticados e entregaram documentos comprobatórios.

Fonte/Créditos: Revista Oeste/ Aliados Brasil Oficial

Créditos (Imagem de capa): reprodução

Comentários: