Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Quinta, 29 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

COVID-19

Índia processa cientista-chefe da OMS por “suprimir dados” da eficácia da Ivermectina para tratar COVID-19

Índia é o primeiro país a processar a OMS por desaconselhar a Ivermectina contra o COVID-19

5831
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Ordem dos Advogados da Índia entrou com uma ação legal contra a cientista-chefe da  Organização Mundial da Saúde (OMS), Dra. Soumya Swaminathan, por seu nefasto papel na divulgação de desinformação e na supressão de dados sobre o uso do medicamento Ivermectina para tratar COVID-19.

Eles afirmam ainda que Swaminathan, em suas declarações contra o uso de Ivermectina, ignorou pesquisas e ensaios clínicos de duas organizações – a Front Line COVID-19 Critical Care (FLCCC) Alliance e a British Ivermectin Recommendation Development (BIRD) – que apresentaram sólidos dados científicos demostrando que a Ivermectina previne e trata, com eficácia, pessoas infectadas pela COVID-19.

A associação (IBA) de advogados da Índia enviou um aviso legal (leia abaixo) interpelando judicialmente a Drª Swaminathan em 25 de maio, alegando que ela estava “espalhando desinformação e desencaminhando o povo da Índia, a fim de cumprir sua agenda” e procurou impedi-la de “causar mais danos”.

Eles afirmaram ainda que Swaminathan, em suas declarações contra o uso de ivermectina, ignorou pesquisas e ensaios clínicos de duas organizações – a Front Line COVID-19 Critical Care (FLCCC) Alliance e a British Ivermectin Recommendation Development (BIRD) – que apresentaram sólidos dados científicos demostrando que o medicamento Ivermectina previnem e tratam pessoas infectadas pela COVID-19.

“Dr. Soumya Swaminathan ignorou esses estudos / relatórios e suprimiu deliberadamente os dados sobre a eficácia da droga Ivermectina, com a intenção de dissuadir o povo da Índia de usar a Ivermectina ”, disse a IBA em um comunicado (leia abaixo).

Em uma postagem no Twitter de 10 de maio que foi excluída depois que Swaminathan recebeu o aviso de processo legal, ela escreveu:

“A segurança e a eficácia são importantes ao usar qualquer medicamento para uma nova indicação. A OMS não recomenda o uso de ivermectina para COVID-19, exceto em ensaios clínicos”.

Swaminathan assumiu o cargo logo após o ministro da saúde de Goa anunciar que todos os residentes de Goa com 18 anos ou mais receberiam o medicamento Ivermectina como prevenção, independentemente de seu status COVID-19, como parte do esforço do estado indiano de Goa para interromper a transmissão do vírus no pais.

 

A Índia foi duramente atingida pela segunda onda da pandemia do vírus, iniciada em março de 2021. O pais viu um aumento de quase 750% nos casos de COVID-19 em menos de um mês. Muitos especialistas em saúde sugeriram que foi a própria campanha de vacinação em massa nas cidades metropolitanas que causou a segunda onda de COVID-19 na Índia .

O aviso legal exige uma resposta clara de Swaminathan em uma série de pontos-chave, e a associação disse que, no caso de uma falha em fornecer uma resposta clara, ela se reserva o direito de iniciar um processo legal sob as seções do Código Penal Indiano e Lei de Gestão de Desastres de 2005.

A Ordem dos Advogados da Índia citou o caso de Judith Smentkiewicz, de 80 anos, que se recuperou totalmente após usar Ivermectina, depois de ficar num respirador quando foi diagnosticada de que tinha apenas 20% de chance de sobrevivência.

Sua família obteve uma ordem judicial que permitiu que ela recebesse doses adicionais de Ivermectina depois que os médicos hesitaram em dar a ela mais de uma dose, de acordo com o  Buffalo News. A família e os advogados de Judith dizem acreditar que a Ivermectina salvou sua vida.

A OMS esta sendo acusada de suprimir todos os outros tratamentos alternativos para COVID-19 que estão fora de suas recomendações (da máfia da Big Pharma) independentemente de funcionar ou não.

Anteriormente, foi revelado em uma investigação chocante que a OMS baniu a Hidroxicloroquina com base em um estudo falso feito  por uma estrela pornográfica e um escritor de ficção científica (os tais especialistas). Mais tarde, em uma investigação em andamento, um médico francês  testemunhou no parlamento que Gilead lhe enviou ameaças de morte  depois que ele começou a falar sobre o HCQ como uma cura para o COVID-19.

Conforme relatado anteriormente pelo GreatGameIndia, até o próprio Presidente de Madagascar fez uma alegação sensacional de que a  OMS ofereceu a ele um suborno de US$ 20 milhões para envenenar a cura COVID-19 usando medicamentos naturais. O remédio herbal chamado COVID-19 Organics feito de Artemisia pode curar pacientes COVID-19 em dez dias, disse o presidente. Ele também levantou a questão de que se fosse um país europeu que tivesse realmente descoberto esse remédio, haveria tantas dúvidas?

Leia o comunicado à imprensa abaixo:

Leia o Aviso Legal abaixo:

Fonte:  Humans Are Free

Comentários: