Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Quinta, 29 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

COVID-19

Ex-Pfizer: Crianças têm 50 vezes mais chances de morrer por causa da vacina contra o coronavírus do que do próprio vírus

Dr. Michael Yeadon, disse ao Real America's Voice em uma entrevista recente que as crianças têm 50 vezes mais probabilidade de morrer com a vacina

1401
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O ex-executivo da Pfizer, Dr. Michael Yeadon, disse ao Real America's Voice em uma entrevista recente que as crianças têm 50 vezes mais probabilidade de morrer com a vacina contra o coronavírus (COVID-19) do que com o próprio vírus. Sua declaração foi feita enquanto a Pfizer testava sua vacina de mRNA em crianças menores de 12 anos, incluindo bebês de 6 meses.

Ele explica que a tecnologia do gene do mRNA usada na injeção COVID para acionar o corpo para criar proteínas de pico viral é um "problema fundamental" que os cientistas e pesquisadores conhecem há anos porque essas proteínas de pico podem levar a coágulos sanguíneos e outros problemas de saúde.

O Dr. Yeadon, que se descreve como “muito pró-vacinas”, diz que esses medicamentos não foram suficientemente testados e que não deveriam ter sido autorizados para uso de emergência quando existem medicamentos seguros e eficazes disponíveis para COVID-19.

A Reuters relatou no mês passado que até 4.500 crianças menores de 12 anos seriam inscritas no estudo em mais de 90 centros clínicos nos Estados Unidos, Finlândia, Polônia e Espanha.

Em 1º de julho, mais de 4,04 milhões de crianças tiveram teste positivo para COVID-19 desde o início da pandemia, de acordo com dados da Academia Americana de Pediatria. Os dados disponíveis indicaram que a hospitalização e a morte associadas ao COVID-19 eram incomuns em crianças.

Fonte/Créditos: Aliados Brasil oficial com informações de pandemic.news, reuters e outras fontes

Créditos (Imagem de capa): pexels

Comentários: