Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

Notícias COVID-19

Estudo associa casos graves de covid ao desgaste do sistema imune e pacientes tiveram envelhecimento das células de defesa

Pesquisa também ajuda a entender casos de reinfecção pela doença

Estudo associa casos graves de covid ao desgaste do sistema imune e pacientes tiveram envelhecimento das células de defesa
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Um estudo  publicado por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e outras instituições, mostra que casos graves de covid-19 estão associados a um processo de envelhecimento do sistema imunológico e imunodeficiência aguda. O artigo foi publicado nesta quarta-feira (24), no Journal of Infectious Diseases, da Sociedade Americana de Infectologia.

Os pesquisadores detectaram sinais de hiperatividade, exaustão e envelhecimento de células de defesa conhecidas como linfócitos T auxiliares, em pacientes hospitalizados pela doença. Essas células são responsáveis por reconhecer as proteínas virais e ativar o organismo a produzir anticorpos. Com o desgaste, elas perdem a capacidade de se multiplicar e liderar essa resposta, explicam os pesquisadores.

Apesar de a pesquisa ter detectado o envelhecimento dos linfócitos T auxiliares, as conclusões não permitem apontar possíveis prejuízos para o sistema imunológico dos pacientes no longo prazo.

Casos de reinfecção por covid

Além disso, a queda na imunidade deixaria os indivíduos mais suscetíveis a contrair infecções hospitalares e ajuda a explicar casos de reinfecção por covid-19 em uma frequência maior do que era esperado por cientistas.

estudo realizado pela Fiocruz comparou amostras de sangue de 22 pacientes hospitalizados com casos graves de covid com amostras de pessoas saudáveis.

“Nos pacientes com Covid-19 grave, observamos que os linfócitos T CD4 [auxiliares] estão em estágio final de diferenciação, apresentando marcadores de exaustão e senescência. São células que perderam a capacidade de expansão clonal, ou seja, não vão se multiplicar ao entrar em contato com as proteínas virais e não vão conseguir comandar uma resposta imunitária eficiente”, afirma o imunologista.

De acordo com o pesquisador, o quadro pode ser caracterizado como um estado de imunodeficiência aguda (faz lembrar algo?). A queda na imunidade deixa os indivíduos mais vulneráveis para contrair outras infecções, como as pneumonias bacterianas, que são comuns em pacientes hospitalizados por Covid-19.

A imunodeficiência aguda também ajuda a explicar um fenômeno que tem chamado a atenção na pandemia: as reinfecções. Desde o começo da emergência de saúde pública, registros de indivíduos reinfectados pelo Sars-CoV-2, mesmo após casos graves de Covid-19, surpreenderam os cientistas. Isso porque infecções virais agudas costumam produzir uma memória imunológica forte, que evita, por exemplo, que a mesma pessoa contraia sarampo ou catapora duas vezes.

“A reinfecção ocorre em uma fração pequena dos casos, mas é mais comum do que seria esperado. A disfunção das células T CD4 [auxiliares] pode explicar a ausência de memória imunológica de longo prazo na Covid-19 grave”, avalia Morrot.

Os pesquisadores encontraram ainda altos níveis de substâncias inflamatórias liberadas pelos linfócitos T auxiliares no sangue dos pacientes com covid-19. Coordenador do estudo, pesquisador do Laboratório de Imunoparasitologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e professor da Faculdade de Medicina da UFRJ, Alexandre Morrot relaciona esse processo à hiperativação dessas células de defesa. "Tudo isso reforça a importância de terapias anti-inflamatórias, voltadas para controlar a resposta imune exagerada, que é uma vilã na covid-19", disse ele à Agência Fiocruz de Notícias.

Também participaram do estudo o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), o Hospital Naval Marcílio Dias, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

FONTE/CRÉDITOS: Revista Oeste/ Agência Brasil/Agência Fiocruz de Notícias/Aliados Brasil Oficial
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )