Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Quinta, 29 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

COVID-19

ESTUDO: 82% das grávidas que foram vacinadas contra covid durante os primeiros seis meses sofreram aborto espontâneo.

Pesquisa foi publicada no New England Journal of Medicine e revelação aconteceu inadivertidamente.

4701
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma nova pesquisa publicada no New England Journal of Medicine (NEJM) revelou inadvertidamente que até 82 por cento das mulheres grávidas que foram “vacinadas” para o coronavírus (Covid-19) acabam sofrendo um aborto espontâneo.

Intitulado, “Descobertas preliminares da segurança da vacina de mRNA Covid-19 em pessoas grávidas”o documento afirma que não há “sinais de segurança óbvios entre as [mulheres] grávidas que receberam vacinas de Covid-19”. No entanto, uma tabela publicada como parte do estudo mostra que a grande maioria das mulheres grávidas que são injetadas com a substância experimental nunca acabam dando à luz um bebê vivo.

O estudo analisou especificamente as vacinas de mRNA (RNA mensageiro) da Pfizer-BioNTech e Moderna, que são as duas injeções de vírus chinês mais amplamente administradas nos EUA.

De forma enganosa, a pesquisa faz uma afirmação mais proeminente de que apenas 13,9 por cento de todas as “gestações completas” terminam em aborto, embora que nestes dados incluam mulheres que não foram vacinadas até atingirem a segunda metade de suas gestações.

A forma como o artigo é apresentado dá a impressão de que não há problemas com as injeções. É necessário um olhar cuidadoso para olhar mais de perto os dados, que foi o que um pesquisador de oncologia fez para chegar a uma conclusão muito diferente.

“Os pesquisadores inexplicavelmente incluíram os abortos espontâneos do primeiro trimestre - antes e incluindo, 20 semanas - na gravidez / perdas completas como um todo - 104 [abortos] de 827 gravidezes”, ela escreveu a dois médicos britânicos proeminentes.

“No entanto, como o objetivo era descobrir se a vacinação da Covid teve algum efeito adverso nos diferentes trimestres, os autores dos artigos do NEJM deveriam ter deduzido as 700 mulheres que não foram realmente vacinadas até o terceiro trimestre do total de 827, deixando apenas as vacinadas nas primeiras 20 semanas, ou seja, 127 mulheres para figurar nessa parte da Tabela 4. ”

 

 

Assim, a “taxa real” de abortos espontâneos entre as mulheres que foram vacinadas nas primeiras 20 semanas de gravidez não é de 12,6 por cento, mas de 82 por cento, porque 104 em 127 gestações foram perdidas após a injeção.

Embora tenha sido admitido em letras miúdas no estudo, um total de 700 participantes do estudo, ou 84,6 por cento, receberam sua primeira dose elegível de uma vacina contra a gripedurante o terceiro trimestre. Portanto, um total de 96 de 104 abortos espontâneos, ou 92,3 por cento, ocorreram antes das 13 semanas de gestação.

“Portanto, a evidência está realmente lá no estudo NEJM, mas completamente deturpada na forma como os dados foram apresentados em geral”, avisa o oncologista britânico.

Antes que as vacinas da Fauci Flu se tornassem realidade, a taxa de abortos espontâneos no primeiro trimestre estava entre 10 e 26 por cento. Fazer com que essa taxa salte para 82 por cento após a injeção da gripe Wuhan representa “uma incidência de abortos espontâneos mais de três vezes ligada às vacinas de mRNA”, escreveu o oncologista.

“Então, sim, há uma enorme bandeira vermelha [contra] a vacinação de mulheres grávidas aqui.”

Outra pessoa que contatou o site norte-americano Life Site News confirmou isso, indicando que sua percepção dos dados contidos no estudo é que eles não correspondem à afirmação associada de que as vacinas contra a gripe Wuhan são seguras e eficazes para mulheres grávidas.

“É claramente uma mentira e óbvio para quase qualquer pessoa”, esta pessoa teria escrito.

“Presumindo que as 127 mulheres restantes estivessem grávidas antes da 20ª semana, isso deixaria uma taxa de aborto espontâneo de 82% (104 em 127). É como dizer que estudaram 700 homens e 127 mulheres e apenas uma pequena porcentagem engravidou. Bem, desde o início 700 não poderiam ter engravidado em primeiro lugar ”, acrescentou ela.

Fonte/Créditos: Aliados Brasil Oficial com informações do lifesitenews.com

Créditos (Imagem de capa): Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

Comentários: