Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

Depois de lucrar bilhões, Pfizer demite em massa. Manifestantes protestam na porta da empresa em SP (veja imagens exclusivas)

Últimas Notícias

Depois de lucrar bilhões, Pfizer demite em massa. Manifestantes protestam na porta da empresa em SP (veja imagens exclusivas)

Farmacêutica informou ter desligado 126 propagandistas e que extinguiu a função devido a uma reformulação; sindicato alega terem sido 146 cortes

Imagens
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A demissão de 126 trabalhadores da empresa farmacêutica Pfizer, responsável pelo desenvolvimento de uma das vacinas contra Covid-19, levou os profissionais a um protesto no escritório da companhia, nesta quarta-feira (25), na zona sul da capital paulista.

Cerca de 70 ex-funcionários ocuparam parte da empesa –alguns tiveram acesso à parte interna do local e outros ficaram na porta. Eles trabalhavam como propagandistas-vendedores para a companhia.

"Vocês escrevem uma coisa e praticam outra", disseram os manifestantes.

Segundo Antonio Silvan Oliveira, presidente da CNTQ (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria Química), os ex-empregados estão fazendo o que chamou de "greve de ocupação", com a intenção de abrir negociação com a Pfizer.

Os trabalhadores não aceitam, diz o sindicalista, os cortes nem o que foi oferecido aos demitidos.

O sindicato contabiliza cerca de 150 demissões, mas a Pfizer confirma 126. De acordo com Silvam, a empresa está oferecendo uma indenização, que não foi detalhada, em troca de os trabalhadores assinarem um termo de quitação de direitos trabalhistas. No documento, eles se comprometem a não reclamar reclamar verbas futuramente na Justiça do Trabalho.

"A empresa oferece um acordo que nós entendemos que está fora da realidade. Contrataram um escritório de advocacia para ligar aos profissionais e fazer a quitação das dívidas, cortando qualquer relação jurídica futura entre as partes", diz Silvam.

Para o sindicalista, a Pfizer deveria ter "responsabilidade social" e não poderia demitir profissionais que arriscaram a vida na pandemia de Covid-19, trabalhando para promover a venda de medicamentos. "É uma das empresas que mais lucrou com a venda de vacinas na pandemia", afirma.

Em nota, a Pfizer afirma que está transformando a companhia em uma organização biofarmacêutica, o que exige mudanças na interação com profissionais da saúde. "Como resultado dessa transformação, deixamos de ter a atividade de promoção e propaganda médica por meio de representantes, propagandistas, promotores e consultores", diz.

A companhia informa que o total de demissões representa 7% do quadro de funcionários hoje existente no país. "Muitos colegas que possuíam o perfil adequado para essa nova forma de trabalhar assumiram novas posições", diz a empresa.

"Nós valorizamos as importantes contribuições de nossos colegas e, por conta disso, todos aqueles afetados por desligamento terão um pacote de suporte adicional ao previsto na legislação, que é composto por um apoio financeiro e de extensão de benefícios de saúde", afirma, em nota, sem especificar o pacote oferecido aos trabalhadores.

Os sindicalistas afirmam que chegaram a ser atendidos por um representante da empresa e outro do setor farmacêutico, mas não houve acordo. Segundo o sindicato, o faturamento da Pfizer foi de US$ 25,7 bilhões (R$ 123,9 bilhões) no primeiro trimestre de 2022.

Sobre as demissões, a empresa afirmou que "a companhia atua em linha com a legislação vigente".

Veja o e-mail enviado a um dos funcionários demitidos:

 

Sindicatos emitem Nota de Repúdio:

O Sindicato dos Propagandistas emitiu uma nota de repúdio

Veja o vídeo da manifestação:

 

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )