Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Domingo, 13 de junho de 2021
Publicidade
Publicidade

Agro

CNA diz que decisão da OIE permitirá conquista de novos mercados

Organização Mundial de Saúde Animal reconheceu RS, PR, AC, RO e parte de AM e MT como zonas livres de febre aftosa sem vacinação

137
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) avaliou que o reconhecimento de mais estados como zonas livres de febre aftosa sem vacinação mostra a eficiência do sistema sanitário brasileiro e vai permitir ao País alcançar novos mercados para a carne bovina brasileira.

A decisão foi anunciada oficialmente, na quinta (27), pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que concedeu o novo status para Rio Grande do Sul, Paraná, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e de Mato Grosso.  O Paraná também foi reconhecido como zona separada de Peste Suína Clássica.

“O Brasil está avançando na retirada da vacinação contra a febre aftosa. Esse reconhecimento mostra o potencial sanitário que o País tem em relação à qualidade dos nossos animais quanto da defesa sanitária,” afirmou a coordenadora de Produção Animal da CNA, Lilian Figueiredo.

Segundo Lilian, alguns países mais exigentes e que pagam melhor pela carne bovina, como Estados Unidos, México, Canadá, Japão e Coreia do Sul, exigem que o Brasil não faça a vacinação. A remuneração da carne proveniente de animal sem vacinação é maior no mercado internacional, chegando a ser de 25% a 30% superior.

“O nosso papel é manter o produtor capacitado em reconhecer os sintomas da doença, cumprir as normas de trânsito e manter seu rebanho seguro por meio da vigilância passiva e, em caso de qualquer suspeita, ele deve notificar os órgãos de defesa sanitária imediatamente.”

A CNA atuou no acompanhamento dos blocos e do grupo gestor nacional para verificar a segurança sanitária para o produtor rural em relação à retirada da vacina e trabalha com a conscientização das federações de agricultura e pecuária e dos produtores rurais quanto à importância da participação ativa do setor privado na retirada da vacinação.

A confederação também tem trabalhado na criação dos fundos estaduais para garantir a indenização aos produtores em casos de surtos e divulgação das ações do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa no País.

Lilian Figueiredo ressaltou que o principal desafio para o avanço da retirada da vacinação é a estruturação dos órgãos estaduais de defesa agropecuária, além da constituição dos fundos privados indenizatórios.

“Há insegurança jurídica na criação de diversos fundos estaduais e a CNA, em conjunto com o Ministério da Agricultura, está trabalhando em um modelo padrão a ser discutido nos estados”.

Com a inclusão do Amapá, em 2018, todos os estados brasileiros são considerados livres da febre aftosa com vacinação, exceto Santa Catarina, que é livre sem vacinação.

Neste ano, Rio Grande do Sul, Paraná, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e de Mato Grosso passaram a ser livres da doença sem vacinação e o Paraná como zona separada de peste suína clássica. A meta é até 2026 tornar todo o País livre sem vacinação.

Fonte: Assessoria de Comunicação CNA

Fonte/Créditos: Destaque Rural

Créditos (Imagem de capa): abc

Comentários: