Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

MENU
Logo
Quinta, 29 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

Política

Bolsonaro sobre carta da CPI: ‘Não vou responder para três bandidos’

Documento pedindo esclarecimentos é assinado pelos senadores Omar Aziz, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues

380
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Jair Bolsonaro voltou a rebater neste sábado, 10, os ataques dos responsáveis pela condução dos trabalhos da CPI da Covid no Senado. Em entrevista à Rádio Gaúcha, o presidente reiterou que não responderá à carta endereçada a ele pelo chefe da comissão, Omar Aziz (PSD-AM). Também assinam o documento o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), e o vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Na carta, os comandantes da CPI pedem esclarecimentos ao presidente sobre a compra de vacinas contra a covid-19. “Não tenho obrigação [de responder]. Vou responder para três bandidos? Não vou responder”, afirmou Bolsonaro.

Durante a entrevista, o presidente classificou como “fantasiosa” a investigação da CPI sobre as negociações envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin. “A compra seria de 400 milhões de doses. A compra teria 1.000% de superfaturamento. É isso o que a CPI andou falando. Assinei medida provisória de R$ 20 bilhões para comprar vacina para todo mundo. Como ia fazer uma nova MP de R$ 280 bilhões? É absurdo. É história fantasiosa”, disse.

Em relação às denúncias do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que disse ter afirmado para Bolsonaro, em reunião com o presidente, que havia irregularidades nas negociações do Ministério da Saúde para a aquisição das vacinas, o presidente afirmou: “Eu tenho reunião com 100 pessoas por mês sobre os mais variados assuntos. Eu não posso, qualquer coisa que chegue a mim, tomar providência imediatamente. Tomei providência nesse caso”.

Fonte/Créditos: Revista Oeste

Créditos (Imagem de capa): reprodução

Comentários: