Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

As vacinas de mRNA Covid não oferecem essencialmente nenhuma defesa contra o Omicron meses após dose de reforço

COVID-19

As vacinas de mRNA Covid não oferecem essencialmente nenhuma defesa contra o Omicron meses após dose de reforço

Segundo um novo estudo importante de pesquisadores britânicos

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Tanto a proteção de anticorpos quanto de células T são quase inexistentes, descobriram os cientistas.

Em um desenvolvimento ainda mais preocupante, quando pessoas vacinadas, mas não infectadas anteriormente, sofrem infecções por Omicron, sua resposta de células T é tendenciosa para versões anteriores do Sars-Cov-2 –  não para a variante Omicron que realmente as infectou.

Em outras palavras, as injeções de mRNA parecem prejudicar permanentemente o sistema imunológico das pessoas que as recebem e as inclinam para a produção de células T para atacar variantes que não existem mais – mesmo que nunca tenham sido infectadas com essas variantes.

Os problemas das células T são particularmente surpreendentes e preocupantes.

Enquanto os anticorpos são a primeira linha de defesa contra a infecção e tentam eliminar o vírus da corrente sanguínea, as células T são a segunda linha crucial. Eles atacam e destroem as células infectadas e também trabalham com outras partes do sistema imunológico para produzir mais e mais anticorpos direcionados posteriormente.

Os defensores das vacinas alegaram interminavelmente que as células T geradas por mRNA ajudam a impedir que as pessoas fiquem gravemente doentes com Covid, mesmo após o desaparecimento da proteção de anticorpos da linha de frente contra a infecção.

Este estudo sugere que a suposta proteção pode ser um mito, e as baixas taxas de mortalidade da Omicron são simplesmente resultado da falta geral de virulência da Omicron em pessoas vacinadas e não vacinadas.

O estudo também fornece evidências adicionais de que a maneira como as injeções de mRNA funcionam pode deixar as pessoas vacinadas ainda mais vulneráveis ​​à infecção e reinfecção ao longo do tempo.

Os jabs fazem com que as pessoas produzam um tipo de anticorpos contra o coronavírus. Mas o estudo sugeriu que a capacidade do sistema imunológico de vencer o vírus também depende de outros anticorpos – e as injeções dificultam a produção deles.

Os cientistas detestam admitir, muito menos discutir, os potenciais problemas de longo prazo que a supressão da vacina de mRNA da ampla produção de anticorpos pode causar.

Neste caso, porém, os autores estavam preocupados o suficiente para reconhecer a questão. Eles escreveram que a imunidade geral pode se beneficiar de partes do coronavírus que são “expostas apenas durante a infecção”. Mesmo assim, eles enterraram esse aviso em linguagem altamente técnica no papel, um sinal das sensibilidades políticas que cercam qualquer crítica às vacinas.

 

 

FONTE

A prestigiosa revista Science publicou o artigo, que se baseia na análise de anticorpos e células B e T em um grupo de profissionais de saúde britânicos que os pesquisadores acompanham desde março de 2020.

Os pesquisadores se concentraram principalmente no potencial da Omicron de causar reinfecções em pessoas vacinadas que já haviam sido infectadas com variantes anteriores do Covid. Mas eles também examinaram seu potencial de causar infecções pela primeira vez em pessoas previamente não infectadas, mas vacinadas. Essas são as descobertas mais interessantes para qualquer pessoa interessada na falha da vacina.

Infelizmente, mas sem surpresa, os cientistas não analisaram as respostas imunes de  quem  não foi vacinado – com ou sem infecção anterior. Assim, o artigo não oferece comparação direta da forma como o Omicron pode afetar as respostas de anticorpos e células B e T em pessoas vacinadas e não vacinadas.

Por que os pesquisadores não incluíram pessoas não vacinadas? Talvez porque quase todos os adultos britânicos sejam vacinados e a maioria seja reforçada, então os autores queriam se concentrar nos riscos que o Omicron representa para as pessoas vacinadas.

Ou talvez porque se preocupassem com o que encontrariam se comparassem diretamente os dois grupos.

No entanto, o artigo mostra claramente que as vacinas e as doses de reforço oferecem no máximo algumas semanas de proteção contra o Omicron.

Nenhuma das pessoas “triplamente vacinadas e ingênuas” que os pesquisadores estudaram tinha anticorpos capazes de neutralizar o Omicron dentro de 14 semanas após a terceira dose. E os pesquisadores encontraram uma resposta de células T ao Omicron em apenas 1 de 10 pessoas que haviam sido vacinadas triplamente, mas não infectadas anteriormente.

Além disso, os pesquisadores descobriram que um grupo de pessoas previamente não infectadas, mas vacinadas, que foram infectadas com Omicron, tiveram uma resposta de células T muito mais forte a variantes anteriores.

 

 

Como é típico em artigos que apresentam descobertas tão condenatórias, os pesquisadores não tiraram explicitamente as conclusões mais preocupantes que seus dados sugerem.

Mas eles sugeriram abertamente o fato de que a resposta imune em pessoas vacinadas é tendenciosa para variantes anteriores de coronavírus, em vez de Omicron, mesmo em pessoas que não foram infectadas com essas variantes anteriores,  poderia ajudar a explicar “reinfecções frequentes de B.1.1.529 (Omicron) com curtos intervalos de tempo entre as infecções estão provando um novo recurso nesta onda”.

Menos claro é o que, se alguma coisa, qualquer um pode fazer sobre essa impressão. Os autores observaram que os esforços dos fabricantes de vacinas para produzir novas injeções de mRNA que fazem com que o corpo produza o pico de Omicron falharam em grande parte em superar o problema, provavelmente pelo mesmo motivo – a impressão inicial é muito forte.

Enquanto isso, porém, o Omicron permanece relativamente leve. Contanto que não sofra mutação para se tornar mais perigoso, os defensores da vacina podem continuar fingindo que o ensaio clínico de um bilhão de pessoas de 2021 não está terminando catastroficamente.

 

Fontes:

O reforço imunológico

 “ Severe COVID-19 'Rare' In Unvaccinated People ”

Relatório semanal de 30 de dezembro de 2021 (corrigido em 5 de janeiro de 2022)

Leia também:

Nova análise de 845 casos de leucemia relacionados a Vacina COVID

“Vacinas” covid são inúteis e prejudiciais admite Revista Science

Novos estudos e Documentos Confidenciais da Pfizer provam que as vacinas COVID causam INFERTILIDADE

ATENÇÃO: Vacinar crianças contra covid foi um erro, admite conselho nacional de saúde dinamarquês

As vacinas de mRNA Covid não oferecem essencialmente nenhuma defesa contra o Omicron meses após dose de reforço

FONTE/CRÉDITOS: Aliados Brasil Oficial/ Tribuna Nacional
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )