Aliados Brasil Oficial - Unidos Pelo Brasil!

Notícias Saúde

Arlene Ferrari Graf entrega relatório de Casos Raros ao Presidente Jair Bolsonaro

O relatório apresenta depoimentos de familiares que buscam respostas das autoridades sanitárias

Arlene Ferrari Graf entrega relatório de Casos Raros ao Presidente Jair Bolsonaro
Arlene Ferrari Graf
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Nesta segunda-feira (23), Arlene Ferrari Graf entregou ao presidente Jair Bolsonaro o relatório ‘Os Casos Raros’, um levantamento de casos suspeitos de eventos adversos pós-vacinação. Na ocasião, a mãe do advogado Bruno Oscar Graf, solicitou a realização de uma Audiência Pública com a participação de médicos e pacientes, com o objetivo de levar informações a população.

Arlene tem um papel importante na sociedade, e é considerada porta-voz de todas as famílias e vítimas dos imunizantes, que levou a óbito o filho caçula, 10 dias após ser vacinado contra a Covid-19. A família realizou uma investigação independente, e a confirmação da relação de causalidade do imunizante com o óbito só foi possível após o exame Anti-Heparina PF4 Autoimune, realizado na Espanha.

Honrada em entregar o Relatório dos Casos Raros para o melhor presidente da nossa história. Homem simples, nos tratou com informalidade, e foi respeitoso pelo que sucedeu comigo”, informou Arlene Graf, que acaba de aceitar o convite feito pelo partido Patriota, para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo Estado de Santa Catarina, nas eleições de outubro deste ano. “Conversei com o presidente sobre o convite e ele me deu apoio”.

Merece destaque que o relatório ‘Os Casos Raros’, entregue ao presidente, foi produzido por um grupo de apoio a cidadãos com suspeitas de eventos adversos pós-vacina Covid-19. Todos os casos relatados foram obtidos por depoimentos de familiares nas redes sociais dos Casos Raros. Os eventos foram notificados às autoridades sanitárias, por meio do sistema de farmacovigilância, o Vigimed, e aguardam investigação.

O grupo de apoio sugere que a farmacovigilância aconteça a contento, com treinamentos no sistema de saúde que atenda os casos de eventos adversos, além de notificá-los junto aos órgãos competentes. Com equipes preparadas é possível obter o diagnóstico que resultará no tratamento correto.

 

Censura nas redes

Desde o início da pandemia, é proibido falar ou questionar sobre os imunizantes. O presidente Bolsonaro sempre defendeu a liberdade da população em vacinar-se ou não, e no período da compra pediu cautela em relação às vacinas que estavam sendo desenvolvidas. A preocupação era a pressa em adquirir doses sem comprovação científica da eficácia.

Cientistas envolvidos nas pesquisas consideram um feito histórico para a ciência, a criação de um imunizante em tão pouco tempo. Todo processo de criação da vacina é lento e demora anos, devido às etapas que confirmam a eficácia e segurança, antes que chegue a população.

Vale lembrar que nas bulas da Astrazeneca, Pfizer, CoronaVac e Janssen constam a seguinte mensagem: “Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico”.

Tal informação causa temor a quem aguardou confiante pela produção das vacinas, pois, alguns detalhes não estão claros, dentre eles os eventos adversos graves, principalmente aqueles que evoluem para óbito.

Tanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), quanto as agências internacionais, trabalham com a seguinte informação: “De um modo geral, a maioria dos eventos adversos graves com associação temporal às vacinas são apenas eventos coincidentes, não correspondendo a eventos causados pelos imunizantes”.

A discussão não é contra a vacina, mas contra a obrigatoriedade, o que tem causado debates, pois, uma parcela da população, que acredita na ciência e nas vacinas para prevenção de doenças virais, optou em aguardar as fases de testes. Não apenas no Brasil, mas vários países europeus realizaram manifestações contra as medidas anti-Covid.

 

FONTE/CRÉDITOS: Pfarma.com.br; Agência Brasil e Os Casos Raros
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )