Aliados Brasil Notícias

MENU

Opinião / Geral

Maconha recreativa há vinte anos já era epidemia social

Amplificando a voz de um grande brasileiro  José Elias Murad

Maconha recreativa há vinte anos já era epidemia social
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando
José Elias Murad
Dr. José Elias Murad
  1. Estaremos sempre com José Elias Murad, nosso exemplo

O reconhecidíssimo professor José Elias Murad (1924-2013) - mineiro, deputado constituinte, jornalista, químico, médico, farmacêutico - e combatente, desde 1960, contra o droguismo estimulado por aventureiros, será sempre uma das maiores autoridades no assunto, nas Américas e no mundo.

Pesquisador estudioso e cidadão exemplar, o Homem é mais um de nossos humanistas que nunca será esquecido, e que conversa conosco pelos seus ensinamentos deixados.  

Em seu livro Drogas: o que é preciso saber (Editora Lê,1997), Murad nos apresenta um levantamento realizado pela FULIBAN (Fundação Libanesa de Minas Gerais). A pesquisa mostrou que, naquela época da publicação do livro, o uso da maconha de modo recreativo já era uma verdadeira epidemia social. Acrescentamos sem receio: epidemia reforçada por propagandistas interesseiros e irresponsáveis.

Leia Também:

Os jovens, na sua maioria com menos de 25 anos de idade, naqueles finais dos anos 90, eram seduzidos pelo alucinógeno em busca de “efeitos afrodisíacos”.

Uma das enganações mais covardes a respeito de hábitos prazerosos, porém insalubres e prejudiciais. Falsa propaganda disseminada inclusive por poetas-letristas da pop music nacional, internacional e por alguns de nossos sambistas respeitados.

Pois, segundo estudos sérios e revisados por pares, pesquisadores tais como Robert Kolodny, Jack Mendelson, (E.U.A), J. C Chopra (Índia) e G.I Fujimoto (Japão), já haviam comprovado, décadas antes, que o THC (tetrahidrocanabinol), princípio ativo da maconha, provoca:

  1. a) redução do apetite sexual, se utilizado em altas doses;
  2. b) depressão dos hormônios FSH/LH, que controlam as funções ovarianas;
  3. c) redução dos níveis de testosterona após a 5ª (quinta) semana de uso;
  4. d) distúrbios na produção de espermatozoide;
  5. e) diminuição do equilíbrio dos vários hormônios masculinos e femininos, e mesmo inibição da diferenciação sexual durante o desenvolvimento do feto. (Kolondny prestando depoimento diante do Subcomitê de Segurança Interna do Senado Americano); e
  6. f) aumento da possibilidade de morte intrauterina e redução do peso do feto, a depender da exposição ao THC no início ou no final da gravidez.

Nas páginas 89 e 90 de seu livro, Murad - que foi também professor de farmacodinâmica na UFMG - faz referência a outro pesquisador chamado J. Bauman, cujos estudos mostram que as mulheres que fumam maconha três vezes por dia, durante seis meses, apresentam um elevado número de ciclos menstruais anovulatórios com uma fase luteal mais curta, contribuindo para uma maior infertilidade feminina.

Até 1997, a maioria dos experimentos foram realizados na espécie humana, embora a maior parte das investigações dos efeitos teria sido conduzida em animais, principalmente macacos.

A conclusão do professor José Elias é que o hábito de fumar maconha, ainda que pontualmente, consiste em um risco para a função sexual, para a fertilidade e a gestação.

E como devemos combater essa epidemia social da maconha?

O também químico, político e sociólogo por vocação, de quem nos lembramos com honra, que naquele tempo, há vinte e sete anos, já tinha publicado mais de 80 trabalhos científicos, e pronunciado mais de 900 palestras sobre drogas, no Brasil e no exterior, responde:

“A resposta é óbvia: controlar rigorosamente as drogas a fim de diminuir sua disponibilidade. Qualquer droga livre torna-se facilmente acessível e, consequentemente, usada ou abusada. O controle rigoroso das drogas é fator fundamental na prevenção do seu uso e abuso. Aqui surge o primeiro papel da comunidade: colaborar e pressionar as autoridades (...) deve combater, com vigor, as tentativas de liberação de qualquer droga (maconha inclusive), através de uma mobilização popular ostensiva e clara.”

Eis a voz da ciência, da experiência e da ética, ainda ressoando com vigor total daqui das Alterosas para toda a Pátria brasileira. A voz de José Elias Murad.

Fazemos coro e quórum. Até que outros estudos da ciência nos comprove o contrário, pois tanto a empiria quanto o saber científico são falíveis.

 

  1. Dos estímulos ao usuário pelas vias da imprudência de juízo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso sustenta que o tema em discussão não é a liberação. Ora, ainda que não seja a liberalidade nem legalização, configura-se como estímulo. Pela lógica, a investigação eficiente do autuado pode muito bem definir se se trata de um mero usuário ou traficante de tóxicos.

A tal definição de parâmetros e critérios, levando em consideração posse, porte e quantidade, para todos os efeitos, estimula o usuário constante a permanecer no vício. Seria o Estado Socialístico do Século 21, em prol dos vícios coletivos, errando pelas competências e administrando o comprovado equívoco da “redução de danos”. O judiciário deve interpretar corretamente as leis e aplicá-las por meio das decisões. Tão somente e apenas. Certo está o ministro Luiz Fux ao dizer: “juízes e ministros do judiciário não governam”. Medidas administrativas são funções do Poder Executivo. Noções básicas do direito.

Mais uma das confusões oriundas da famigerada deformação do judiciário, que nosso adversário de ideias José Dirceu de Oliveira e Silva tanto comemora, a Emenda Constitucional 45/2004. Nela estão o fim dos nossos tribunais de alçada (o aspecto distributivo da justiça federativa), as súmulas vinculantes etc. Toda razão tem o ministro e professor Alexandre de Moraes, naquela sua histórica entrevista à Revista Piauí: “os partidos socialistas são os que mais provocam o STF”.

 

3- Os Tipos de Usuários de Alucinógeno

Conforme a filósofa Tânia Zagury, em O Adolescente por Ele Mesmo (1996), há quatro tipos de usuários: 1) o experimentador; 2) o ocasional; 3) o habitual; e 4) o dependente. O fumante de maconha habitual é um viciado. Um enfermo da epidemia.

Com tais parâmetros e critérios propostos, o ministro Barroso afirma ainda que pretende proteger o enfermo de possíveis estigmatizações que lhe seriam prejudiciais na vida profissional. Mais um complicador, porque o alucinógeno reduz consideravelmente a produtividade do usuário enfermo.

Que é um alucinógeno, professor Elias Murad? Lembre ao ministro, e professor Barroso que, como Hegel, considera temerárias as definições corretas.

Resposta: “Alucinógeno é o que provoca alucinações, delírios, visões distorcidas, fora da realidade.”

O ministro deseja proteger uma pessoa fragilizada de preconceito nenhum. Para haver preconceito, é preciso antes existir confusão, obscuridade. Este é o ensinamento da razão ilustrada advinda da filosofia das luzes, doutrina que o ministro segue. Porque, se a situação é epidêmica, e se o uso de maconha tende a se tornar cada vez mais comum, para identificar um viciado habitual ou dependente, as empresas não precisam verificar antecedentes criminais de pequeno potencial do candidato. Basta a observação, este simples instrumento do senso comum e da atividade científica.

O experimentador e o ocasional não se enquadrariam ainda na discussão dos casos hipotéticos. Mas quantos dos experimentadores e dos ocasionais se tornam habituados? Oportunidades e ocasiões constroem as constâncias. Com o tempo, as pessoas percebem quem são os de ocasião e os que não perdem a oportunidade de usar a droga. 

A depender das circunstâncias, não é apenas direito, mas também dever de uma empresa prudente deixar de contratar um viciado em alucinógenos. Sobretudo se a função do cargo exigir responsabilidades que possam comprometer a saúde estrutural da organização empresarial, a qual ajuda sustentar tantos outros empregados e suas famílias.

Por fim, para o enfermo cumpre buscar tratamento e forças de superação, até que abandone o vício de uma vez por todas. E não adulações demagógicas.

Quantas famílias hoje não choram o sofrimento por causa do vício da maconha e de outras drogas? Quantos talentos não se desenvolvem? Quantas vidas se perdem?

O amor ao próximo deve ser o espírito de todo homem público.

Em 1987, quando o deputado então constituinte criou o Centro de Orientação Sobre Drogas, ele disse que “todo dinheiro gasto seria compensado se um único jovem fosse, por ele, libertado das drogas.” Um amigo do médico então questionou:

- E você não acha que é muito dinheiro por um só jovem?

Elias Murad retrucou:

- Não. Pois pode ser o meu filho ou o seu.

Esse pequeno diálogo serviu de abertura de uma das obras mais importantes do final do século passado. Coisa de Homens, com “H” maiúsculo. Um livro com mensagens precisas e claras, como muito bem prefacia Laércio Pellegrino, Ex-Presidente do Conselho Federal de Entorpecentes, à época da publicação. Obra de palavra escrita, perene, atual. Inspirou e continuará inspirando muitas ações, pois como petrificou Santo Antônio de Pádua: “a palavra é mais viva quando as obras é que falam”.

Aos enfermos, atenção e tratamento. Estando eles recuperados e capazes, aí sim as oportunidades. Nossos próprios amigos e entes queridos, que caíram na dependência, reconhecem sua parcela de responsabilidade no retorno à vida saudável e à convivência harmônica em sociedade.

Seguindo este exemplo incontestável, nosso papel é desestimular todo e qualquer uso de entorpecentes, inclusive o álcool. Continuar proibindo os ilícitos e trabalhar para reduzir o consumo dos lícitos é o dever constitucional do Estado e de toda Sociedade Civil. Em prol da integridade psicofisiológica da população pátria, a humanidade da Nação.

Esta é nossa campanha. Esperamos que o ministro Luís Roberto Barroso nos ajude, na medida de suas possibilidades.

Que Deus amoleça o coração e ilumine ainda mais a mente do ilustrado professor e jurista. Não lhe faltam saber, consciência e sensibilidade.

 

A obra e as outras referência:

MURAD, José Elias. Drogas: O que é Preciso Saber. -7ª.Ed.- Belo Horizonte: Editora Lê (coleção atualidades), 1997. 167 p.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Entenda: STF volta a julgar recurso sobre drogas para consumo pessoal. Brasília/DF, 05/03/2024. Disponível em <<https://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=528669&ori=1>>

ZAGURY, Tânia. O Adolescente por Ele Mesmo -5ª.Ed..- Rio de Janeiro: Editora Record, 1996.252p.

 

Lopes al’Cançado, 46, mineiro, escritor-pesquisador que se formou no Conjunto Habitacional de Interesse Social Professora Cristina, em Santa Luzia. É ativista de Direitos Humanos pela Doutrina Jusnaturalista e cofundador desse novo movimento democrático.

 

    

                                                                                          

 

 

Créditos (Imagem de capa): Crio Nords Arts

Comentários:

Lopes al'Cançado Rocha

Publicado por:

Lopes al'Cançado Rocha

Lopes al'Cançado é poeta-músico, escritor e ativista de Direitos Humanos pela Doutrina Jusnaturalista.

Saiba Mais

Nossas notícias no celular

Receba as notícias do Aliados Brasil no seu app favorito de mensagens.

Telegram
Whatsapp
Entrar

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )